O seminário encerrou o projeto “A Essência Viva dos Antigos Carnavais”

É na arte de manter viva a cultura das bandas de sopro e toda a magia das máscaras e alegorias artesanais que Maragojipe conserva uma tradição que representa sua essência espontânea, o carnaval mais singular da Bahia, patrimônio imaterial reconhecido pelo IPAC. 

E foi com o objetivo de valorizar essa tradição que já carrega mais de 180 anos, socializar temas importantes e dar voz a sujeitos históricos para se pensar a manifestação cultural do carnaval de Maragojipe que o projeto ‘A essência viva dos antigos carnavais’ promoveu o seminário ‘Carnaval de Maragojipe: Transmissão de Saberes, Educação Patrimonial e Salvaguarda’. 

O bate-papo online que finda o projeto foi apresentado pelo seu coordenador, o presidente do Grupo Cultural Samba de Roda de Maragogó, Paulo Souza Fernandes, e pelos convidados palestrantes, o artista plástico e artesão Memeu Barbudo e o Secretário de Cultura e Turismo de Maragojipe Francisco Gomes.

Para Paulo Souza, a iniciativa, que buscou promover o apoio aos grupos de mascarados e mobilizar a cena cultural local em torno do carnaval de Maragojipe, foi de extrema importância para manter viva a essência da manifestação, que em 2021 não pôde ser celebrada diante das medidas de isolamento impostas pela pandemia. “Por isso, um dos objetivos do projeto é reduzir os impactos causados pela pandemia nas dimensões simbólica, cidadã e econômica da produção cultural de Maragojipe, mobilizando novamente, promovendo e difundindo saberes a partir de atividades de formação, com oficinas e seminários”, destaca.

Coordenador do projeto e presidente do Grupo Samba de Roda de Maragogó, Paulo César Fernandes

Por meio do concurso virtual de fantasias, os foliões puderam acompanhar de casa as alegorias criadas por cada grupo de mascarados, torcer pela sua marchinha preferida e conferir todos os resultados com segurança. “É um projeto muito significativo. Diante do período difícil que estamos enfrentando no cenário mundial, nós, enquanto entidade, fizemos com que essa manifestação dos mascarados, um evento que acontece anualmente, não fosse interrompida. Mesmo levando em conta a dificuldade, como articulador cultural do município, fomos desafiados a passar por tudo isso e celebrar uma manifestação secular que é nossa e a gente preserva”, conta Paulo.

Artista plástico e artesão, Memeu Barbudo

Memeu Barbudo, figura ilustre que mantém seu ateliê aberto durante todo o ano fazendo as máscaras de papel machê, máscaras ibéricas e bumba meu boi, destacou a importância das antigas manifestações e costumes que são passados de geração a geração. “Nasci no bairro das Palmeiras, em Maragojipe, trazendo na minha mente uma intuição para o brilho do carnaval que é o brilho mais bonito dos carnavais do mundo, onde tive a oportunidade de conhecer, naquela época, o carnaval de Maragojipe com os mais velhos que aqui se faziam presentes”, comentou o artesão que já viu sua arte atravessar o mundo, representando a cultura maragojipana na Europa, com exposição em Portugal.

Secretário de Cultura de Maragojipe, Francisco Gomes

No encontro, o Secretário de Cultura Francisco Gomes também leu o discurso do professor Benedito Jorge Carneiro de Carvalho, maior historiador da cultura Maragojipana, que não pôde estar presente por motivos de saúde. “Para que não se percam aspectos fundamentais do passado, é preciso que haja incentivo a população local visando a valorização e o fortalecimento cultural. A população de Maragojipe está sendo estimulada a buscar a memória coletiva de sua história oral e documental no sentido de resgatar sua expressão cultural, que vem se perdendo no tempo, como é o exemplo dos Mandus e das máscaras e fantasias produzidas de forma rigorosamente artesanal, que devem merecer o julgamento à parte como valorização dessa forma primitiva de produzir o riso e a alegria, tão próprios da gente maragojipana”, afirmou o secretário ao ler o discurso. 

Além do seminário, o encontro contou com o lançamento do vídeo documentário sobre a história, a tradição e a importância do Carnaval de Maragojipe, com a exibição de vídeo teaser. 

Confira aqui a primeira parte do seminário:

O Carnaval Virtual de Maragojipe – Projeto A Essência viva dos antigos carnavais conta com apoio financeiro do Estado da Bahia, por meio da Secretaria de Cultura e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural –IPAC (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

#IPAC #Salvaguardapatrimonioimaterial #SecultBa #Culturaquemovimenta #LeiAldirBlancBahia #ProgramaAldirBlanc #culturabrasileira #cultura #culturapopular #bahia #maragojipe #carnavaldabahia #carnavalmaragojipe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *